Amazônia: um imã na minha vida

Atualizado: Abr 30


Conhecem a história dos dois Rios que caminham lado a lado e não se unem jamais? O Rio Negro e o Rio Solimões. Um é escuro, o outro é claro. Densidade, temperatura e, acidez também são diferentes. Esses são os 4 motivos pelos quais eles não se misturam. Escutando o guia contar a história dos dois, tive um momento de lucidez. Durante muitos quilômetros eles andam pareados, o Rio Negro tentando se infiltrar no Solimões, e, este, firme, não permite que ele expanda seu modo de ser para dentro do seu caminho de água. Luz e Sombra!. Como nós. A sombra quer infiltrar na Luz, mas não é esse o caminho; ela tem que transformar-se em um outro produto, mudar o pH, a temperatura, tornar-se Luz. E a cada momento em que que transmutamos algo em nós, uma outra sombra aparece para percorrer o mesmo caminho em direção à sua cura. Uma das águas, podemos beber, a outra não. Compreendem?


Vivi um momento a compreensão ímpar do nosso processo pessoal percorrendo, desses 5km de esforço em transformar a Sombra em Luz; Negro em Solimões.


Depois de muito tentar, eles se completam e recebem o nome de Rio Amazonas. É sempre o mesmo rio, transmutado e unido, sem mais divisão. Na primeira vez em que estive aqui, aprendi da diversidade e da aceitação: tive um dos meus melhores momentos de consciência olhando para um quadrado de plantas de diferentes formas, cores e tamanhos em um momento caminhando pela floresta amazônica. Grudei! Dessa vez , o conceito Luz e Sombra saiu do mental e desceu para o coração.


A natureza ensina!


Vou voltar.

© 2019 Sandra Perin